Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2006

Contributo deste blog – O que é urgente fazer neste grandioso país!

Como é Carnaval e ninguém leva a mal, vamos editar dois textos de uma acentada. Não há fome que não dê em fartura e nós queremos “farturar” com os nossos contributos.

Texto 1

Estava aqui a pensar como é que me hei-de dirigir aos leitores deste blog. Será que são muitos? Será que são muito poucos? Será que, para além dos que aqui escrevem, mais alguém perde tempo com estas verborreias?

Bom, como não sei, vou partir do pressuposto que temos mais audiência que um jogo na TV e dirigir-me aos milhares de espectadores, imaginários, destas letrinhas.

Para variar e para poder dizer que dei o meu sábio contributo a esta esplendorosa nação, hoje não venho criticar nada. É verdade, hoje vou contribuir positivamente com um exercício digno das mais altas esferas do pensamento iluminista e doutrinal que este pedaço de terra pariu (a modéstia ficou de cama, está doente e não me pode acompanhar).

Como estava a dizer, vou pura e simplesmente enumerar (acho que ainda sei contar até 15, deve chegar para isto.) as grandes obras e as grandes medidas que devem ser realizadas nesta emblemática República de descendentes de espermatozóides transviados que merece apenas e somente apenas o melhor e o mais magnânimo dos projectos.

Passemos à acção! Começo por enumerar as urgentes obras que tão desesperadamente precisamos:

- Passadeiras rolantes na baixa de Lisboa, com velocidades ultra rápidas (especialmente nas curvas) de forma a dar um toque radical a quem peregrina neste santuário da história e do comércio. Tipo dois em um, o prazer da montanha russa associado ao passeio de consumo.

- Feries diários entre as ilhas e o continente, com paragem nas Berlengas.

- Cimentar o Tejo, o Douro e outros rios para, além de estações de feries, criar parques multiusos: patinagem no gelo, campos de golfe - sem relva (não vá vir alguma vaca desmiolada pôr-se a ruminar) - e demais modalidades desportivas dignas dos tempos imemoriais em terras de Olímpia. Não esquecer a abertura de vários mega-shopping’s com cidades de lojas no seu interior.

- Erigir monumentos às diversas personagens bíblicas por todo o país, tão grandiosas que excedam largamente aquela amostra do Cristo-Rei.

- Instaurar uma rede a sério de Metropolitano, que atravesse obliquamente Portugal: De Bragança à Ponta de Sagres, com saída em escorrega gigante para o mar.

- Construir mais 5 mega Aeroportos, de 7 pistas cada. Um em Trás-os-Montes, outro na Beira Interior, outro no Alentejo (no meio), não esquecer Silves no Algarve e mais um na ilha da Graciosa (se não couber faz-se pistas pelo mar a dentro ou, ainda melhor, sub-aquáticas).

- Túneis, não aquela porcaria que se está a fazer em Lisboa para o Marquês de Pombal. Ligar Lisboa a Faro, Guimarães a Sines, Alcabideche com a Pampilhosa da Serra e tudo com 4 vias de cada lado.

- Pontes, resmas delas. Entre o Porto e Freixe de Espada-à-Cinta, da Serra da Estrela à Serra de Monchique.

- Muito importante, esta é de estrema utilidade pública - ligar, por eléctrico, Coimbra a Beja.

- Construir uma nova Assembleia da República, com 6 torres gémeas de 160 andares cada uma, com os mais modernos equipamentos e tecnologias de ponta como piscinas interiores, saunas e banhos turcos. Não esquecer as pistas de mini-golfe e os campos Squash.

- Mudar o Palácio de Belém para a Madeira e erguer nele uma estátua com 55 metros ao grandioso e nobre político – Alberto João Jardim.

- Queimar o Gerês e, no seu lugar, criar praias de areia branca e coqueiros artificiais.

- Abrir fossos em redor do país e fazer uma parede de muralhas e ameias, para não deixar entrar esses porcos imundos dos espanhóis, esses pobretanas sem visão que não fazem nada e só incentivam os outros ao trabalho - esclavagistas.

De obras já chega, ficamos bem servidos para os próximos milénios. Agora debrucemo-nos nas medidas e nos planos estruturantes, concentradores de mais-valias inadiáveis sob pena de hipotecarmos definitivamente as gerações futuras e perdermos o comboio do sucesso global.

E que medidas são essas? Não vou perder mais tempo, aqui vão:

- Abolirmos de vez qualquer direito do trabalhador. Esta praga tem de conhecer o seu lugar, o que é isto de direitos? Estes animais só podem ter deveres, têm de ser ordenhados até à última gota de sangue.

- Instituirmos a miséria como o grande desígnio nacional, enobrece a alma e fortalece o espírito de sobrevivência, aquele que já tivemos nos gloriosos tempos dos nossos antepassados aquando das suas auspiciosas aventuras por terras do Ultramar.

- Acabar de vez com a educação, só se pode ensinar o servilismo. Revolucionários todos para a forca. Difundir ideias, pensamentos ou, pior, ensinar a pensar só pode dar em asneira, olhe-se para o país. Quanto menos informação melhor, as pessoas não tem capacidade de separar o trigo do joio.

- Proibir a leitura, quanto muito só algumas publicações devidamente autorizadas. Que incutam nobres valores de depreciação do valor humano, obediência cega e total submissão.

- Erradicar o sufrágio universal, isto é, só vota quem reúne condições, previamente definidas, para o efeito e de acordo com o regime instituído.
- Acabar com estas macacadas das repúblicas e das democracias, instituir um conselho de sábios, cujos membros são escolhidos pelas suas inabaláveis virtudes e pragmatismo. Compete-lhes a nobre arte de iniciar na vida toda(o)s a(o)s virgens desta gloriosa nação.

- Proibir a cópula, esse grande mal – isso só é digno de elementos de elevadas estirpes, para apuramento da raça. Impor a sodomização, sem vaselina, dos estratos inferiores.

- Expulsar todos aqueles que tem mais que dois neurónios no cérebro. Potenciais arruaceiros, escória do país, divulgadores de libertinagens e de atentados à moral e aos bons costumes.

- Acabar com o Sistema Nacional de Saúde, se está doente que vá para outro lado, aqui somos todos sãos e não nos podemos dar ao luxo de ter doentes, era só o que faltava correr o risco de ter um energúmeno de baixa no emprego. A esmola que se dá é só para quem está disponível para servir 39 horas por dia, 12 dias por semana, 452 dias por ano.

- Acabar com as férias, feriados e fins-de-semana. Mas que merda é esta do direito ao descanso? Isto só leva à preguiça e ao desleixo.

- Instituir o “Chicoteamento” e o apedrejamento público – vamos ensinar de uma vez por todas o que é o respeito e a obediência ao povão.

- Erigir arenas onde os vermes (leia-se populaça) se degladiam como animais por uma côdea de pão de 15 dias, para prazer e deleite de mentes estadistas.

- Instituir de vez a Lei do mais forte e do mais poderoso. Darwinismo puro e duro. Vamos subjugar esta gentalha.

- Arrasar os inválidos, deficientes e os fracos – essa escória não tem lugar numa civilização de excelência e expansionista.

- Greves, só em comédias. Mata-se e acabou.

- Aniquilar a agricultura e a indústria, só interessa os serviços. Quanto muito dedicamo-nos ao cultivo da papoila e da indústria inerente.

E “prontos”, meus amigos. Este é o caminho para a grandiosidade e para a resolução de todos os nossos problemas. Eu já contribui, UFA! O Tico e Teco estão de rastos, tenho de parar ou ainda….

RdS

Texto 2
De acordo com a filosofia da solidariedade e entre-ajuda também julgo que é meu dever participar nesta listagem de sugestões. É importante que o cidadão possa contribuir para o fortalecimento desta Terra Estranha.

Assim, aponto as seguintes sugestões como algo importante para preparar o País para o século XXV (é preciso jogar em antecipação.... sempre)

- Implementar o futebol como religião oficial. Para tal, retirar toda e qualquer contribuição ou fiscalização das instituições futebolísticas.

- Legalizar a prostituição cobrando impostos sobre o número de espermatozóides e não sobre a actividade.

- Obrigatoriedade de entregar o ordenado às empresas e/ou estado sendo depois necessário requisitar vinhetas de refeição.

- Cobrir o país com um telhado de zinco e transformar isto num armazém da Europa.

- Venerar os fósseis vivos da política, presentes desde a implantação da república, como exemplos máximos da virtude e sabedoria. Quem não tiver pelo menos uma foto do Mário Soares em casa tem direito a uma violenta sodomização da parte de um camaronês especialmente contratado para tal

- Transformar o interior do país numa sociedade medieval de modo a promover o turismo europeu para apreciar uma cultura antiga e tradicional.

- Recrutar voluntários (à força) para testes médicos de modo a promover a ciência neste país.

- Conservar os cérebros, depois de retirados, em formol para evitar a fuga de génios

- Construir pontes a ligar Lisboa, Funchal e Ponta Delgada, com portagens e estações de serviço

Pelo acima apresentado, julgamos que a Terra Estranha poderá entrar no século XXV de cabeça erguida.

MS

publicado por GERAL às 11:26
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Nas voltas e reviravoltas...

. A Austeridade...

. Portugal e a Crise

. Jogo FMI

. FMI e afins

. O outro lado da exuberânc...

. Os Sufrágios!

. As idio(ti)ssincracias da...

. O país de betão

. O salário minimo e Portug...

.arquivos

. Outubro 2013

. Setembro 2012

. Maio 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

.tags

. todas as tags

.Contador

.Contador

blogs SAPO

.subscrever feeds