Quarta-feira, 22 de Fevereiro de 2006

Há dias e dias

Ora muito boa tarde,

Hoje nenhum dos S’s está inspirado e, como tal, o texto será curto.

Estive eu hoje a almoçar e na tertúlia de debate surgiu, para variar, os problemas da Terra Estranha e dos seu habitantes. Estávamos nós a debater o papel dos trabalhadores quando foi indicado que algo está errado nisto e que algo tem de ser feito, nomeadamente no que concerne:

Os trabalhadores deixaram de ser um recurso da empresa. Isto é dizer que, ainda na década de 80, afirmava-se que os funcionários eram um recurso fundamental da empresa. A solidez dos seus Recursos Humanos (RH) reflectia-se na solidez da empresa face ao mercado. Contudo, se isso era assim, actualmente os RH são vistos como meros consumíveis das empresas. É a filosofia do “mastiga-e-deita-fora”, da substituição selvagem de um recurso da empresa em nome de uma mais valia financeira do momento. E isto porquê?

a. Em primeiro lugar, começou por se confundir produtividade com margens de lucro. Numa selvática (sim, não tem outro nome) campanha de marketing global, um grupelho de economistas e gurus do management começaram a dizer que as empresas produtivas tinham margens de lucro fabulosas e que isso só se conseguia com redução de custos, essencialmente custos de pessoal.

b. Em segundo lugar, a existente classe política – eles mesmos funcionários dessas empresas – permitiram que o ónus da degradação social provocada por massas de desempregados caísse sob a alçada do Estado, não por achar que Estado desempenha, de facto, esse papel mas sim porque isso era conveniente ao segmento patronal que, em última análise, são também os patrões da classe política.

c. Em terceiro lugar, o papel social das empresas foi totalmente posto de lado em nome do lucro. Eu não tenho nada contra o lucro, bem pelo contrário, mas tenho tudo contra as teorias da economia de que o mercado se auto-regula e tudo contra a destruição do papel social de qualquer entidade organizada.

Aquilo a que assistimos actualmente é uma degradação completa e total do Estado social e da organização da sociedade, em paralelo com uma constante degradação da própria força produtiva interna das organizações. Deixa de existir uma cultura interna e passa a existir uma cultura de margem de lucro, pura e dura.

Muito há para dizer ainda sobre isto (e prometo que a ela voltarei em breve) mas depois de olhar à volta apetecem duas coisas: ou o assassínio directo dos cretinos, ou o suicídio... e eu até gosto de viver, o que me limita as opções.

MS
publicado por GERAL às 17:46
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De RdS a 23 de Fevereiro de 2006 às 13:01
Vamos arrasar com isto, encher o estádio da luz com os gestores cretinos FDP e sangrá-los até à morte. Era o maior bem que o páís podeia ter.

RdS

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Nas voltas e reviravoltas...

. A Austeridade...

. Portugal e a Crise

. Jogo FMI

. FMI e afins

. O outro lado da exuberânc...

. Os Sufrágios!

. As idio(ti)ssincracias da...

. O país de betão

. O salário minimo e Portug...

.arquivos

. Outubro 2013

. Setembro 2012

. Maio 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

.tags

. todas as tags

.Contador

.Contador

blogs SAPO

.subscrever feeds