Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2006

Incompetência ou Competência.

Nesta Terra às avessas em que vivemos (ou se calhar sou que estou às avessas com esta Terra) a designação de competente / incompetente, de pessoa competente / incompetente para ser mais correcto, é algo que me está ultrapassar. Se for ao dicionário vejo que competente é: adjectivo 2 géneros, 1) DIREITO que tem competência legal para tomar conhecimento de uma matéria e julgá-la; 2) apto; 3) capaz; qualificado; 4) próprio; 5) devido;

E incompetente: adjectivo 2 géneros, 1) que não é competente; 2) que não tem aptidões e conhecimentos necessários à boa execução de determinadas funções; 3) sem capacidade; inábil; 4) DIREITO que não tem estatuto legal para determinada matéria. substantivo 2 géneros, indivíduo que não domina as aptidões e/ou conhecimentos necessários para a boa execução de determinadas tarefas ou funções;

Isto faz sentido, realmente coincide com o que me foi transmitido em novo, pelos meus pais, escola, amigos, em resumo pelo processo de socialização.

De repente cresci, na minha boa fé vou interagindo nesta sociedade portuguesa convencido que tenho as ferramentas adequadas, que utilizo a linguística, no pressuposto que me enquadro dentro dos usos e costumes e demais valores deste pequeno país.

Aqui começam as minhas dificuldades….Vou-me restringir apenas ao tema deste blog.

Oiço falar que se uma pessoa for um BOM profissional e COMPETENTE consegue vencer na vida, atingir bons lugares (supostamente bem remunerados), estar no topo, coisas extraordinárias. Fantástico. Entusiasmante.

Olho à minha volta, à procura de exemplos que confirmem as minhas expectativas… o que vejo?

Esperem!

Devo estar a ver mal… Se calhar preciso de novos óculos…Alguma coisa não bate certo….Deve ser impressão minha…

Estou a ver cargos importantes ocupados por gente (se é que se pode enquadrar essa espécie nesta denominação) que não cumpre minimamente qualquer requisito. Não fazem a mais pequena ideia do que é suposto ser feito, não têm qualquer tipo de conhecimento sobre o assunto ou o trabalho, não trazem nada de interessante ou novo. Em termos de liderança e chefia são completamente inaptos, centralizadores, mesquinhos, com a mania do controlo de tudo e todos (sem fazerem a mínima ideia do que é o controlo e como se faz).

Mas isto acontece em todo o lado, tanto no público como, estou pasmado, no privado!

O sector público, com politização de tudo, pode não surpreender tanto. Aceito, embora contrariado. Mas no privado! Como é possível? Não é suposto o privado ser eficiente, dinâmico, impulsionador, empreendedor? Como é que isto se conjuga com o que vemos em matéria de competência / incompetência?

Mas, então, em que ficamos?

O que vejo é pessoas a fazerem-se passar por aquilo que não são, assumirem-se Dr. sem o serem, ocuparem cargos de responsabilidade com a maior irresponsabilidade, definirem novas políticas / metas / objectivos incongruentes, sem qualquer plano ou estratégia. Sem a mínima noção de como se aplica na prática (para ser mais correcto, sem a mínima ideia do que fazer e como fazer).

Aplicando chavões e termos apregoados por líderes de opinião (aqueles que vêm nos jornais) sem a mínima noção das suas implicações. Mudando o discurso consoante o interlocutor, contradizendo-se se necessário. Pior, falando de competência e de “ser BOM” como se tivessem a mínima ideia ou faculdade para tal.

(A propósito isto de “ser BOM” dava muito que falar mas, por agora, não é o momento).

Por isso este país está como está…Já começo a perceber alguma coisita (ainda pouco, assumo, mas estou a abrir um pouco os olhos), se calhar competente / incompetente é algo mais intrínseco, deve estar no sangue ou em algo muito próximo (amigos). Também está relacionado com Lealdade e Confiança. E com a palavra SIM (muito importante), pessoas a que se atribui o termo “yesman”. Contorcionistas de espírito de actos, sem qualquer tipo de espinha dorsal, com habilidades únicas de… “sobrevivência”?

Revelação….Habilidades únicas!!!. Exacto, afinal o dicionário está correcto. Ainda que não esteja completo, mas aqui o erro deve ser meu. Falta-me capacidade interpretativa ou então algo na minha educação foi desvirtuado. Se calhar não tenho capacidade, sou incompetente, para abarcar estes significados tão simples. Ou serão tão complexos que só algumas mentes iluminadas são capazes (competentes) para os atingirem?

Fico-me por aqui. Até breve.
Um dos três S’s,
RdS
publicado por GERAL às 11:49
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Nas voltas e reviravoltas...

. A Austeridade...

. Portugal e a Crise

. Jogo FMI

. FMI e afins

. O outro lado da exuberânc...

. Os Sufrágios!

. As idio(ti)ssincracias da...

. O país de betão

. O salário minimo e Portug...

.arquivos

. Outubro 2013

. Setembro 2012

. Maio 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

.tags

. todas as tags

.Contador

.Contador

blogs SAPO

.subscrever feeds