Quinta-feira, 26 de Outubro de 2006

República das Bananas

Ao contrário do rasgado elogio ao corpo de agentes da Polícia Judiciária, a Magistratura do Ministério Público não é merecedora de igual reconhecimento.

 

Os Magistrados do Ministério Público estão distanciados da realidade. Tem uma atitude sedentária na investigação criminal.

 

A maior parte dos Magistrados do Ministério Público não sabe utilizar o poder que lhes é conferido e tal deve-se à falta de formação no combate às novas formas de criminalidade, resultantes da globalização dos mercados e do impacto das tecnologias de informação que criam uma criminalidade veloz, sem fronteiras, sofisticada, mutável e que explora as diferenças de legislação entre países.

 

Os tribunais não têm capacidade de resposta. Os processos investigados acabam por conduzir a penas ridículas e a arquivamentos por prescrição devido a um desfasamento legislativo entre o Código Penal e o de Processo Penal. O que resulta em impunidade e deficiente funcionamento. Tal traduz-se de forma inequívoca numa deficiente agilidade processual, fruto de investigação criminal cada vez mais complexa.

 

O problema não é de Leis é de prática, isto é, não existem más ou boas Leis, existem sim más ou boas interpretações da Lei.

 

É imprescindível a celeridade na máquina judicial sob prejuízo dos lesados que vêm cada vez mais os seus prejuízos agravados pela ausência atempada de decisões proferidas no mais custo espaço de tempo de forma a não adicionar mais prejuízos aos já existentes. De facto não há justiça na espera.

 

O país corre o risco de se transformar numa “república de magistrados”. O tribunal não pode ser utilizado para mudar o mundo, mas para combater o crime e proteger a sociedade.

 

Em Portugal há sempre margem de interpretação da Lei. O erro grosseiro só surge quando há violação directa da Lei. Se o erro for tão grave que exceda o âmbito do processo e recolha da prova, é evidente que devem ser aplicadas penas disciplinares, pese embora que até à presente data não há conhecimento de que alguma vez os tribunais portugueses tenham sido condenados por não terem promovido deferimentos em tempo útil. Normalmente cabe aos lesados esperar e desesperar, sem prazos à vista, pela conclusão do processo e trânsito em julgado.

 

O Ministério Público tem ao seu dispor mecanismos que lhe permitem acelerar as diligências tendentes a uma rápida solução, mas contrariamente do que seria de esperar, refugia-se no mais esconso articulado da Lei, demonstrando insensibilidade e falta de bom senso, não olhando aos prejudicados e caindo no vício do “jogo do empurra” delegando para a instância seguinte a tomada de posição que corajosamente deveria ser tomada por si, não relegando para data ulterior em outra sede de decisão.

 

Salvo honrosas excepções, o Ministério Público traduz-se actualmente por um colégio corporativo, onde impera a prepotência do “quero, posso e mando”, relegando o comum do cidadão à sua ínfima expressão de contribuinte pagador, sem demonstrar humanidade nem humildade nos seus actos.

 

Urge mudar esta atitude fruto da mentalidade instituída e dificilmente explicável e entendível aos nossos companheiros europeus que nos vêem e ao nosso país como uma “República das Bananas”. 

CCBM

publicado por GERAL às 17:33
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De GERAL a 26 de Outubro de 2006 às 17:47
Fantástico!

A terra estranha no seu melhor, ou melhor, é caso para dizer "justiça estranha" no seu pior.

Isto de facto testemunha o que realmente se passa na (in)justiça deste país.

Mas gostava apenas de acrescentar mais uns pequenos aspectos: Em primeiro lugar, estamos a começar a viver a ditadura da Lei, se a Lei for deficiente o que fazemos? somos prejudicados na mesma e nem "bufamos", que podemos ofender a magistradura.

Em segundo lugar, existe um escabroso esquema nas profundeza das Leis que subvertem normalmente tudo, estou a falar do sinistro "espírito da Lei", que é ainda agravado quando se recorre ao "espírito do Legislador".

Legislador que é, por acaso, alguém, mas não se sabe quem. Portanto, nunca se pode aprofundar estes "espiritos" todos.

Logo o que é publicado nesta República são Leis bananas, ou será bananas de Lei?

RdS
De MS a 27 de Outubro de 2006 às 12:50
Bem, a grande questão que se coloca prende-se com o facto de, em primeiro lugar, saber o que anda a Senhora de mama de fora e espada na mão a fazer.

O problema nunca deveria estar na interpretação da Lei, ela devia ser uma apenas, mas como por norma o legislador é uma magnífico animal, deixa sempre umas portas abertas.... não vá dar-se o caso de o considerarem incompetente.

Mas é assim, esta Terra Estranha

MS

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Nas voltas e reviravoltas...

. A Austeridade...

. Portugal e a Crise

. Jogo FMI

. FMI e afins

. O outro lado da exuberânc...

. Os Sufrágios!

. As idio(ti)ssincracias da...

. O país de betão

. O salário minimo e Portug...

.arquivos

. Outubro 2013

. Setembro 2012

. Maio 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

.tags

. todas as tags

.Contador

.Contador

blogs SAPO

.subscrever feeds