Sexta-feira, 26 de Setembro de 2008

“Berrium Financeirius” vs “Contribuintium Pagantius” vs “Responsabilitium”?

 

Ora viva!
Então, ainda estão por aí?
E estão bonzinhos?
De certeza?
Bem, em primeiro lugar venho dar três explicações sobre este blogue:
1)      Já alterei o nickname do blogue, que estava por defeito com o meu Nick, e coloquei “GERAL”. Penso que fica perceptível que o nome do autor do post ou do comentário não é o do nickname e sim o nome que vem no fim do post ou do comentário. Foi só para clarificar, é que não sei colocar isto de maneira a indexar automaticamente à assinatura, logo é um paliativo, mas acho que vai funcionar.
2)      Somos 3 a escrevinhar neste blogue, nomes: RdS, MS e JLM. Todos assinamos os nossos textos. Não há confusões. Além disso, deixo aberta a possibilidade a todos que queiram colaborar, basta enviar o vosso texto para: ostres.s33@sapo.pt e eu coloco-o on-line sem censuras ou alterações e devidamente identificado.
3)      Publicidade neste Blog- Constatei que aparece, de vez em quando, uma página com publicidade neste blogue. Faço questão de esclarecer que somos totalmente alheios a esta publicidade. Penso que é da responsabilidade do SAPO. Em resumo, não temos nada a ver com esta publicidade, não a controlamos e, pior, não recebemos dinheiro nenhum por ela (está mal!). Não faço a menor ideia de como hei-de eliminar esta coisa – aceito sugestões.
Posto este pequeno preâmbulo vou passar para o tema, muito actual, eu diria mais: NA BERRA! Anda tudo aos berros, mesmo!
O impensável aconteceu, uma parte do sistema financeiro privado “deu o Berro”, colapsou, estatelou-se, caiu por terra, entrou em falência, enfim já perceberam a imagem.
Estamos perante convulsões bolsistas particularmente complicadas, já se fala em nova “crise de 29” com repercussões mundiais nos restantes sectores da economia.
Isto tudo aliado ao problema Energético dos últimos anos e temos uma bela salganhada em perspectiva... O cenário é de “ouro negro”.
Mas, não há acontecimentos sem reacções em cadeia. O que é que tem sido feito?
Vamos lá ver:
“Nacionalizações”, se é que é este o termo certo, porque injectar capitais em empresas falidas à custa dos contribuintes...não sei se não será mais do mesmo, a velha moda dos últimos anos: Decisões Politicas que o parvo do contribuinte paga!
Já agora, e responsabilidades? Quem é ou quem são os responsáveis? O que lhes vai Acontecer?
Não quer dizer com isto que esteja a criticar as decisões que têm sido tomadas pelos principais Bancos Centrais Mundiais. O desastre é grande, o efeito dominó pode ser devastador e são realmente necessárias Grandes Medidas. A questão é outra, vou tentar avançar mais um pouco...
Eu tenho ouvido muitos comentários nos últimos anos sobre “RESPONSABILIDADE”, penso que vocês também, coisas do género: “Ninguém é responsável por nada, se fosse no privado, no mínimo, ia “”P’rá RUA!”””.
Ora bem, A Responsabilidade! Palavra muito badalada, especialmente contra a função pública (FP), mas... Atenção! Não confundir FP com políticos. Os políticos só têm: “Responsabilidade Política”! Mais nada! Seja lá isso o que for...
Continuando, não sou da função pública, sou do privado, esse paradigma da responsabilidade, e tenho observado que a responsabilidade no privado tem algumas nuances muito semelhantes à dos políticos na sua relação com a FP.
Não! Não estou louco, pelo menos aparentemente (isto de viver na Terra Estranha e ser dito “normal” é algo muito contraditório, eu diria mais: é como água e azeite, juntos não se misturam).
Ora vejam lá isto, O Político é apenas Responsável pelas Decisões Políticas, cuja responsabilidade se consubstancia em...hummm!!...pois....enfim, é só responsável, mais nada, não existe qualquer medida subsequente.
Quando acontece alguma coisa, normalmente vai apurar responsabilidades nos serviços da FP inerentes e nos seus técnicos, algo que as chefias adoram, vulgarmente chamado também: “Procura o Bode Expiatório” – ou expiratório, porque saltam “gafanhotos” por todo o lado, mas nenhum acerta no alvo.
No privado acontece algo paralelo, a responsabilidade é apurada até determinado patamar hierárquico. A partir daí...passam a ser Responsabilidades por Importantes Decisões Estratégicas, com consequências muito semelhantes às dos políticos: na pior das hipóteses, o Director vai “p’rá Rua” com reforma choruda vitalícia, carro de topo de gama, prémios dos próximos 10 anos por atribuir, and so on...
Quanto ao resto da equipa, o clássico: despedimentos em massa, indemnizações abaixo (quando existem) do previsto na Lei, processos disciplinares, etc... A empresa desaparece e é constituída uma nova, no terreno ao lado (de preferência, para os clientes não estranharem), com metade dos mesmos trabalhadores, a metade do salário e a produzir precisamente...o mesmo.
Ou seja, a culpa é do porteiro, da telefonista e da senhora da limpeza (quando os há, porque começa a ser normal cada um ser responsável pela sua zona, o que na prática quer dizer algo como: atendemos chamadas para o Sr. Dr.Eng.Arq.Comendador, abrimos as portas (e muitas vezes as pernas, acompanhadas de “vai um cafezinho? E vaselina, deseja?), classificamos documentos contabilisticamente /analiticamente / por centro de custos, elaboramos orçamentos, relatórios de projectos e de reuniões onde não estivemos presentes e sobre as quais desconhecemos totalmente (mas-que-o-chefe-necessita-para-justificar-a-sua-preseça-nessas-reuniões), enquanto tentamos fazer prospecções de mercado e negociar com clientes... (espera! E vender? Só depois, pá! Primeiro as coisas importantes, “onde está a merda do café?”).
Ops! Desculpem, derivei um pouco, não era bem este o assunto... hum!! De certa forma até está relacionado...bem adiante.
Como eu ia a dizer, esta crise financeira, já com laivos de crise económica, coloca a Nú a questão da responsabilidade, muito mais de que as questões relacionadas com as medidas que estão a ser tomadas, temos as questões sobre a pró-actividade dos Mercados e dos respectivos Reguladores.
Ó meus amigos! Afinal ninguém podia ter previsto isto? Tantos analistas, tantos líderes de opinião (que diariamente intoxicam o povão com as suas brilhantes dissertações sobre os elogios da empresócracia, a magnificência da auto-regulação do mercado, os malefícios da existência de Estados, de Governos, etc), afinal em que é que ficamos?
Por um lado não queremos Estado, tudo parasitas que chupam gigantescos recursos, queremos só iniciativa privada, bem gerida, SUCESSO! Mas, quando acontecem estas crises...
Ai, ai, mãezinha! Ó Estado, paga lá a burrada que fizemos!
É caso para dizer: Felizmente existem organizações Estatais, senão ia tudo mesmo para o c.........
Mais uma vez, toca a ir ao bolso dos contribuintes, todos nós a descontar anos e anos para, entre outras, situações destas! Felizmente que isso acontece. Existem demasiados exemplos horríveis na história sobre outras crises e espero que esta não atinja esses temíveis patamares.
Voltando à Responsabilidade, afinal qual é a real origem disto tudo? Quem foram os Responsáveis? Quais são as medidas punitivas?
Não me venham com a conversa de que não há responsáveis, que foi o mercado, que não havia regulação, que não se podia prever, etc... TRETA! HIPOCRISIA! Conversa para enganar TÓTÓS!
Tanta ciência, tanto conhecimento e tantas certezas, não era possível que um acontecimento destes não fosse previsível. Ou será que afinal esses líderes do conhecimento e do poder são menos inteligentes daquilo que é tão apregoado?
Não me parece, sinceramente penso que houve mais um “deixa andar e dá cá umas massas para eu estar caladinho” do que outra coisa qualquer. Convinha deixar andar as coisas, muitos beneficiaram enormemente no passado, beneficiam no presente e de certeza que vão beneficiar no futuro, ou não estivesse cá o povão “p’ra” contribuir nas próximas crises.
Em resumo (bolas, já me estiquei demasiado), temos a crise, estamos alegremente a pagar para que ela passe, os responsáveis ficam impunes, os opinium makers da praça vão continuar a opinar (eu acho que é mais a “pinar-nos”) com a sua douta sapiência e o futuro.... “Só Deus sabe. Ele conduz-nos por insondáveis caminhos”.
O mais provável é que a seguir a esta crise venha a crise do excesso de liquidez nos mercados, fruto das actuais injecções monetárias dos Bancos Centrais. Qual elefante a saltar de nenúfar em nenúfar, nós vamos saltar de crise em crise.
Todavia, penso que existe algo de positivo nesta situação toda, não há dúvida que todos os sectores, público e privado, são necessários e não vale a pena andarem de “costas voltadas uns p’ró outros”. É em conjunto que se constrói, divididos...dá asneira e da grossa!

In the end, it’s all about Money

 

RdS

 

publicado por GERAL às 18:11
link do post | comentar | favorito
|
8 comentários:
De GERAL a 27 de Setembro de 2008 às 23:02
Ora muito bem...

Apenas podemos referir que estamos a entrar na nova era da democracia... a democracia do paga e não bufas.

Gostei particularmente do video... sou fã dos "velhinhos" Pink Floyd.

Mas voltemos às responsabilidades: se pensarmos bem, a responsabilidade é nossa porque em vez de estarmos preocupados com o derby benfica-sporting deveríamos estar mais entretidos a inventar formas dolorosas de capar os génios da gestão que a maioria dos cretinos teima em dizer que "ahhh! é um sabedor! um verdadeiro génio! uhhhh! que comunicador"

Aliás, a nossa terra estranha é fértil em criar esse tipo de mongolóides... só posso atribuir ao clima que temos. Pode ser que o aquecimento global mude mas a ver vamos...

MS
De RIP a 30 de Setembro de 2008 às 11:17
Sr. RsD

Por este prisma que "parece que todos os Tugas" sabem dizer mal, porque SÓ os outros é que são chupistas, corruptos, lavam o dinheiro, fazem lobbies…etc....

Mas quem é que os colocou lá???
E se aqueles que tanto falam e ripostam, que "matam e esfolam, tivéssem a possibilidade de ir para lá???

Bom, haveria DE CERTEZA casas para todos, o ordenado mínimo seria superior ao de Espanha, todos os bancos teriam que repartir os lucros obtidos pelos clientes, saúde e educação de borla, as Companhias de Seguros primeiro pagavam e depois se veria quem teria razão, blá..blá…

De boas e fáceis intenções está o mundo cheio!!!!

Cada vez acredito mais que a "culpa de TUDO ISTO foi de D. Afonso Henriques, não acha?

Para já "não falar de D. Sebastião", que resolveu "experimentar as famosas adágas mouriscas reviradas, porque "segundo reza a história parece que ele gostava muito desse tipo da arma" e lá ficou, borrifando-se em regressar numa noite de nevoeiro para a Corte!!!!

Se os países chamados "grandes, os até comme ci comme çá, levam com a pastilha, quando fazem m**da, quem somos nós, senão os infelizes rolos de papel higiénico para "tentar limpar as fezes dos outros"…hum…????

A passividade social é apanágio dos Tugas, assim como criar métodos e hipóteses para "contornar o fisco, falsificar documentos, criar empresas fictícias para repartir lucros, abrir e fechar empresas para fugir aos impostos…etc

Nisso SOMOS OS MAIORES…sem dúvida.!!

A era do "orgulhosamente sós" deu no que deu, o 25 de Abril, mais a "descolonização exemplar", seguida da "libertinagem das privatizações" para mostrar serviço, os vários "governos provisórios, efectivos, etc, para tentar saber qual dos partidos é que fazia mais m**da em menos tempo, para depois, passados anos, voltarem para os mesmos donos, com pedidos de "desculpa" blá…blá…blá...

Porque hoje em dia, mudar mentalidades, modos de vida e personalidades a partir "do berço" pode ser salutar e recomenda-se…

MAS depois de tudo isto, colocamos os filhos entre a espada e a parede para a "verdadeira realidade exterior actual": a droga, a prostituição, os crimes, os roubos, as violações, o convívio com os amigos, onde impera a bebida alcoólica, com as "respectivas misturas para entrarem na onda da moda", a falta de oportunidades de emprego, o desemprego, o consumismo. os endividamentos…

É quanto a mim, um esforço inglório dos pais…!!!

Sejamos realistas, ok? Sempre dependemos dos outros países por termos nascidos enjeitados geograficamente, com o cu virado para a Europa e o oceano pela frente…!!!

O mundo caminha a passos largos para o "regresso ao primitivo": guerras, confrontos, escassez de alimentos, doenças, o fim do pulmão do mundo a Amazónia, a destruição da natureza…etc…vão inevitavelmente contribuir para a extinção "quase total da Terra"…

Os que provavelmente sobreviverem a isto já sabem "o que sentiram na carne" e começariam, penso eu, por uma mudança da consciência do ser humano, com o desenvolvimento das capacidades de sentir o outro como o eu, e o eu como o outro.
A percepção de que somos um só corpo vivo e que da cooperação justa, todos poderão viver plena e dignamente.

Quantas mais pessoas descobrirem, e colocarem em prática, soluções de não-violência para conflitos, mais nos acercaremos da justiça social, do saber compartilhar a vida, a cura da Terra, da inclusão social, da preservação da natureza e do respeito a esta causa que deve ser de todos para todos!!

Ok, pode ser UTÓPICO, negativista, mas não descortino nada que possa "revolucionar sem partir do zero" o que de mal se tem feito depois do "Homo Sapiens" ter surgido…

A continuar assim, será, quanto a mim, uma realidade não muito distante e desgraçadamente "uma hipótese aterradora, mas plausível"!!!

O testemunho versus herança que infelizmente será deixado aos filhos será "esta bomba que rebentará a qualquer momento" e que não soube-se evitar, porque estão sempre mais preocupados com o que o que os outros fazem ou não fazem!!!

Talvez durásse anos, centenas de anos, um milénio e tudo poderia voltar novamente ao mesmo…who knows?

Quem quer a todo custo ser Deus e ser dono da verdade, esquece-se que é simplesmente um ser humano.

Fique bem





De GERAL a 30 de Setembro de 2008 às 12:07
Caro RIP,

é agradável ver os seus comentários. Dada a extenção deste seu último comentário, gostaria de saber se podemos colocá-lo como post neste blog, devidamente reconhecida a sua autoria.

Cumprimentos
MS
De RIP a 30 de Setembro de 2008 às 14:39
Sr MS

Esta minha mensagem não é mais do que uma "outra opinião" a um post criado pelo Sr. RdS, portanto sem título.

Peço desculpas se "abusei da extensão do mesmo" mas se não o fizésse, dificilmente conseguiria colocar e expor o porquê do mesmo, em poucas palavras.

Criar "mais um post" sobre o mesmo assunto, quanto a mim, tornar-se-ia monótono, sem razão que o justificásse.

Mas registo e agradeço a sua intenção.

Fique bem
De RdS a 2 de Outubro de 2008 às 15:14
Meu caro RIP,

Gostei particularmente do seu comentário, é a sua justiça e como tal respeito-a. No entanto, mesmo retóticamente, fez-me uma pergunta e como tal acho que devo responder, mesmo com uns dias de atraso.

Em muitos aspectos concordo com o que escreveu, só não partilho de alguns pontos, nomeadamente a da culpa residir no D. Afonso Henriques.

Tenho orgulho na nossa História e na nossa nação, acho que no passado fomos Grandes (em vários aspectos) e tivemos Grandes Homens. D. Afonso Henriques foi na minha opinião o Maior de todos, teve coragem, ambição, inteligência e criou somente um país.

Houve muitos outros muito importantes e que glorificaram, também houve, e muito, o oposto.

Agora, lá por termos tido nos últimos 2 séculos anormais no poder, não quer dizer que seja culpa do D. Afonso. Ele lançou as bases, infelizmente não vive 1000 anos, e os que vieram a seguir limitaram-se a continuar o trabalho.

Houve quem fizesse mais e melhor, houve quem fizesse pior (como os energumenos dos úlimos 80 anos), mas a culpa não é do D. Afonso, a culpa é contemporãnea e de todos nós.

Outro ponto, acho muito sinceramente que se fossem outros (que não a classe politica existente independentemente da cor partidária), outras pessoas mais do quotidiano, como eu, os meus colegas que aqui escrevem, você, etc, que tivessem a oportunidade de estar no poder... De certeza que as coisas eram diferentes.

Não acredito que seja o cargo a desempenhar as funções e sim as pessoas que lá estão. Sou particular descrente da classe política actual, tanto nacional como internacional. A maioria são corruptos, sem a minima noção do que é a vida real, de como vivem as pessoas e extremamente centrados em si próprios.

Por isso acho que qualquer pode e faria melhor se estivesse no lugar deles.

RdS
De RIP a 3 de Outubro de 2008 às 16:39
Sr. RdS

Quando falei de D.Afonso Henriques, talvez não o tivésse feito ou dito para que se percebesse outra coisa.

A minha intenção ao fazê-lo é "culpá-lo" de dar origem a uma nação independente, que, com o decorrer dos tempos deu no que deu…

O povo português, "não aproveitou" nem aproveita as "dádivas" que lhes colocam à frente…e deixam estragar, vilipendiar, ignorar tudo o que recebe, e não sabe nem NUNCA o soube aproveitar…infelizmente!!!

Quando diz:
"Não acredito que seja o cargo a desempenhar as funções e sim as pessoas que lá estão.…
…Por isso acho que qualquer pode e faria melhor se estivesse no lugar deles."

Em teoria sim, na prática duvido…e a prova tem sido dada ao longo dos anos…

Ninguém faz nada sozinho. Ponto final.
Depende-se da "máquina partidária, dos lobbies, dos interesses politico-militares, sociais, geográficos…

E quem "tenta fazer algo" que seja pelo interesse do país, ou é morto, ou colocado de parte muito lentamente…
ou arranjam "um Watergate ou uma Lewinsky" que os façam demitir.

Desculpe, mas não conheço ninguém que "vá para o poleiro" cheio de boas intenções eleitorais ou pessoais, que mais tarde, não o façam cair em desgraça…

Talvez se me "apontásse um só" que esteja no poder e seja ou tenha sido imaculado de corrupção, não apoie interesses politico-militares e exemplar na sua governação.

Sinceramente não conheço !!!!

Por tudo isto…coloco seriamente as minhas reservas…
Porque não DEPENDE só de uma cabeça, uma pessoa, mas de um conjunto de "interesses parasitas" que minam e corroem quem vier por bem!!

Fique bem
De RdS a 3 de Outubro de 2008 às 18:54
Mau caro RIP,

Concordo num aspecto, de facto há uma "máquina" bem montada e muito oleada e quem não estiver na engranagem é colocado de parte.

Mas como eu já referi, a culpa é de todos nós. Votamos e contribuimos para o "status quo" e não nos unimos, não enfrentamos nem criamos alternativas.

Quanto ao D. Afonso e outros grandes de Portugal, acho que não merecem serem criticados por terem tido a coragem de serem inovadores ou de terem feito algo de interessante, só pelo simples facto de gerações posteriores não saberem aproveitar.

Acho isso errado, não deve ser enaltecido a ineficiência e a azelhice de quem fez e faz asneiras com o descretido de quem fez algo de jeito.

Há que desacreditar, criticar e mesmo, porque não, insultar quem não sabe aproveitar e, pior, estragar o "caminho deixado" por quem soube fazer algo.

Acredito que há mais pessoas com vontade e com capacidade, só é preciso conseguir que chegem lá.

É dificil, utópico, ou o que quiser, mas enquanto isso não acontecer nada muda. Cabe a todos nós, dentro das nossas limitações, ir passo a passo, fazendo para que isso aconteça.

Como? Não sei. Mas este nosso blogue é para já uma manifestação nossa nesse sentido. É pouco ou nada, mas é mais que muitos já fizeram.

Espalhando ideias, experiencias e opiniões pode ser um principio...quem sabe.

RdS
De RIP a 6 de Outubro de 2008 às 10:48
Sr. Rds

Para perceber "verdadeiramente" o meu comentário, culpo tanto D. Afonso Henriques, como Galileu, Copérnico, Sigmund Freud, Marie Curie, Einstein, Martin Luther King…entre outros.

Eles inovaram, foram colocados em causa, perseguidos, mortos, "excumungados" , porque trouxeram a inovação, outra forma de viver e perceber os enigmas, mistérios, e colocarr a claro a intenção de mudar, de descobrir sem depender, de aprofundar o conhecimento humano, sem seguir "como ovelhas" dogmas ultrapassados, caducos e contrapô-los com factos…

Quando lhes deram a "homenagem devida" já quase todos estavam ou tinham sido mortos. Caricato, não????

É assim que quem está no Poder, sejam políticos, militares ou até a própria Igreja, lhes "façam sombra" são LOGO questionados, difamados, alguns como loucos, excêntricos, racistas…e é só uma parte ínfima da verdade.

E quando diz:
"Espalhando ideias, experiencias e opiniões pode ser um principio...quem sabe."

Sou um bocado "negativista ou mesmo céptico quanto a isto.
Para o Poder "vozes de burros, não chegam aos céus", enquanto eles conseguirem "lavar cerebros", a partir dos cursos intensivos das "Assembleisa de Deus", nunca vai resultar!!!

Acho que isto só lá vai, quando se "bater mesmo no fundo" e aqui sim, ACABAM-SE as máscaras eleitoralistas!!!

A Opinião Pública tem muita força, tal como uma orquestra, mas DEVE ser tocada por TODOS e não só por aqueles que são directamente atingidos…

Só quando TODOS SÃO PICADOS directamente é que ACORDAM. Como foi a Greve dos Camionistas!!!

Aqui sim o Poder tremeu e a opinião pública fez-se ouvir quase como uma tempestade!!!!!

E o país esteve quase imobilizado por completo.
Foi por pouco!!!

Mas com o rebentar em breve da liquidez dos bancos "a ver vamos"…como diz o ceguinho!!!

Fique bem

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Nas voltas e reviravoltas...

. A Austeridade...

. Portugal e a Crise

. Jogo FMI

. FMI e afins

. O outro lado da exuberânc...

. Os Sufrágios!

. As idio(ti)ssincracias da...

. O país de betão

. O salário minimo e Portug...

.arquivos

. Outubro 2013

. Setembro 2012

. Maio 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

.tags

. todas as tags

.Contador

.Contador

blogs SAPO

.subscrever feeds