Segunda-feira, 13 de Abril de 2009

Deflação da Sanguessuga.

Pois bem... É oficial: Março registou o primeiro marco de deflação dos preços ao consumidor em Portugal.

Para alguns é boa notícia, para outros é má notícia.

Por um lado, teoricamente, com a queda dos preços aumenta o poder de compra dos consumidores. Com o aumento da procura, surgem novas oportunidades e novos investimentos. Diminui o desemprego, aumenta o consumo. A Economia e os Mercados animam.

Talvez!

Por outro lado, face ao excessivo endividamento e à crónica desigualdade económico-social deste país, ao forte desemprego e às parcas perspectivas de melhoria de vida, os consumidores continuam a retrair-se.

Não há confiança, não se arrisca, não há consumo e os preços continuam a cair. As falências sucedem-se, os salários são renegociados (para baixo obviamente), o poder de compra diminui ainda mais, os investimentos re-retraem-se, o desemprego aumenta. A Economia e os Mercados entram em entropia.

Qual dos dois cenários irá vingar?

Pessoalmente, pelo menos no curto prazo e conhecendo típico gestor da Terra Estranha (cujas características se destingem por: gestão “à lá minute” (curtíssimo prazo), reactivo, sem visão nem planeamento, incompetente, totalmente desconhecedor da organização e do mercado onde está inserido, focado em mesquinhices, centralizador, individualista, apenas como orientação tem os amigalhaços que pautam pela mesma bitola) acho que é o segundo cenário que se vai impor por estas bandas.

Recentemente ouvi de um grande empresário, Belmiro de Azevedo, dizer que o país tem uma grande crise de liderança, tanto a nível governamental como do sector privado. Na sua opinião, que eu subscrevo inteiramente, a grande maioria de políticos e gestores deste país são incompetentes, nefastos para as organizações onde estão e deviam ser radicalmente afastados.

Nunca pensei ouvir ou ler algo deste género na Terra Estranha vindo de alguém que representa: O símbolo da Gestão deste país. Acho que ele sabe bem do que fala, até porque conhece pessoalmente a grande maioria dos nossos líderes, logo, no mínimo, dá que pensar.

E os nossos gurus da opinião? O que é que eles disseram sobre estas palavras?

Nada, “enfiaram a carapuça”. Preferem continuar a pregar mais do mesmo: “Temos de ser todos pobrezinhos e sossegadinhos”, ”É urgente rever salários, trabalhar 75 horas por dia, acabar com as férias, trabalhar 7 dias da Semana e receber uma esmola para sobreviver e pagar impostos”... Onde é que eu já ouvi isto? (lembram-se da Grande Personalidade Histórica recentemente eleita pelos Portugueses?)

Obviamente, que este recado só se destina a determinados sectores da população. Estes senhores, e demais pandilha, pertencem a uma determinada elite que deve ser mantida a qualquer custo. Alguém tem de pagar para manter o “Statos Quo”.

Adiante...

Se por um lado somos bombardeados diariamente com as notícias mais terríveis da economia com todos os operadores em larga recessão, não se vende nada, falências, despedimentos...Também ouvimos: “Estas férias da Páscoa os operadores viram toda a oferta disponível lotada”. “Hotéis esgotados”. “Destinos esgotados”.

Um pouco contraditório, não?

Se aprofundarmos mais um pouco, numa ida ao supermercado, confesso que tenho dificuldade em encontrar algum produto, dos que habitualmente consumo, mais barato. Se for a um shopping, comprar alguma roupa por exemplo, também não encontro grandes reduções. Ou no preço de um livro, CD ou DVD.

Existem muitas promoções, é certo, mas a que qualidade? E com que relevância?

Para quem compra por comprar, por exemplo:

-“Olha, uma promoção! Vou comprar”

– “Boa! Mas para que é que isto serve? O que é que faz?”

– “Não sei! Não interessa, não vês que está em promoção!

E nos entretenimentos? Por exemplo: Cinema 3D - toca a aumentar o preço, é por causa dos óculos... Espectáculos – dificilmente se arranja bilhetes, numa zona que se veja qualquer coisa, abaixo dos 30€ cabeça (6 contos na moeda antiga), e mesmo assim... Muitos são a 60€ por pessoa, o que tendo em conta o salário mínimo, que anda nos 400 e poucos euros...

Afinal, em que é que ficamos? Onde é que está o aumento do poder de compra?

Estou convencido que este país tem dois Mercados paralelos: Um real, que nos toca a todos, e que de facto está em crise, e um outro, mais dissimulado, que vive da exploração do Mercado Real e que Não Está em crise.

Banqueteando-se na preocupação de ver o Mercado Real a encolher, apregoando, dia após dia, para a necessidade de se fazer homéricos sacrifícios, “apertando cintos” que mais parecem gargantilhas, instigando os “servos da gleba” nas correntes da penúria em prol do “Senhor da Terra”, oferece como alimento a destabilização e medo sobre o Mercado Real, retirando chorudos proveitos inteligentemente colocados em contas off-shore.

Pois, as sanguessugas só morrem quando chupam todo o sangue da vítima. Até lá, somos todos...

Zombies!

 

Acho que derivei demais, por isso... Tchau!

RdS

 

publicado por GERAL às 16:37
link do post | comentar | favorito
|
5 comentários:
De GERAL a 13 de Abril de 2009 às 16:59
Boa!... vejo que voltaste ao tema da gestão e dos empresários. Já sabemos que somos líderes na gestão; exemplos na economia... por isso acho bem que se fale nisso.

À semelhança do Magalhães, vamos criar a "assemblagem" (gosto deste estrangeirismo) de gestão.

Só não concordo numa coisa que referiste: a tal figura histórica! é que a diferença entre o antigo e o actual esboroa-se na ignorância das massas. Se tivermos atenção à realidade, a diferença etá que um tem um nome e outro tem outro.... já sei! os puristas falam em liberdade e democracia... hum! ora aqui está um tema que vou escrever...

Abraço
MS
De RdS a 14 de Abril de 2009 às 11:00
A tal figura Histórica, o Salazar (para não haver dúvidas), foi um ASNO economico, só atrasou o país em 250 anos.

Ao pé dele, até a Avó Ferreira Leite (outra débil mental da economia nacional) parece um guru do business.

E se fosse só na economia, até se desculpava, mas o Histórico Salazar, teve a modéstia de também fazer regredir a mentalidade das pessoas (ainda por estudar o real efeito temporal - pessoalmente estou convencido que para muitos foi um regresso ao Australopiteco).

Por isso é que temos a merda de país que temos e só daqui a, pelo menos, duas gerações é que devemos ter "cérebros limpos" da nefasta herança intelectual que essa besta deixou.

Quanto às bestas actuais, já referi atrás, a regressão foi muito grande e transversal, por exemplo: não entendo porquê que o PR ainda não demitiu o PM, deve ser por estar em sintonia mental (se é que se pode utilizar termos como pensar com esta espécie de seres).

Não vale a pena tentar esboçar o minimo gesto de desculpa para esse alarve que esteve 50 anos à frente do país.

Só existe mesmo uma atenuante, é que não foi morto logo no inicio por revolta popular - como povo somos demasiado brandos para com quem governa e pagamos, corrijo, estamos a pagar muito CARO.

RdS
De GERAL a 14 de Abril de 2009 às 12:47
Que giro!!!
Deve ser uma maldição nacional! O Salazar deve ser o único culpado do estado da Nação. Sim, até Salazar Portugal era o paraíso na terra, veio o 25 de Abril – essa nefasta data – e voltámos a ter o paraíso na terra. Um paraíso cheio de BPN’s, FREEPORT’s, auto-estradas, Magalhães, Fraudes de IVA, etc, etc

O nosso caríssimo bloguista JLM uma vez referiu que Portugal nem sequer é bom a criar filhos-da-puta. Uma nação inteira pactuou com Salazar, denunciou os vizinhos, falava com a PIDE, vivia do regime e do sistema, “limpinhos mas honradinhos” e o tipo é que tinha culpa.

Engraçado é que hoje, tal como no futebol, temos uma série de “opinion-makers” de bancada, todos sabem e discutem mas ninguém faz nada. Com o regime actual (composto pelos filhos daqueles que apoiaram Salazar) temos a chamada cretinice de luvas de pelica, ou seja, o PM discurso aos berros, tal e qual um sindicalista da indústria mineira e todos ficam de boca aberta e a acenar tipo asnos atrás da cenoura. A diferença entre Salazar e o actual, é que ao menos o primeiro não mentia… dizia que ele é que mandava e os outros comiam e calavam. Este esconde-se atrás da comunicação social, dos tribunais, da eloquência do sistema e da nossa democracia mas os tiques estão lá todos.

Sim, também agora temos a modernização da sociedade… pois claro! O que tens diferente do tempo de Salazar? Infelizmente nada… deveríamos ter, mas não temos. Continuam as mesmas moralidades bacocas, as mesmas idiotices pseudo-religiosas, a mesma mentalidade retrógrada, castrante da sociedade.

Se há uma coisa que os tugas são é um povo mal-agradecido. Mas é por natureza, está-nos na massa do sangue mas enfim, se Júlio César no conseguiu fazer nada, porque é que mais alguém conseguiria? Quanto ao preço a pagar… e qual achas que vai ser a factura que vamos deixar aos nossos filhos e netos? Um TGV? Um aeroporto? Um deficit cada vez maior? O filho do Vitor Constâncio? Do Durão? Da Manuela Ferreira Leite?

Infelizmente cada vez mais portugueses pensam: Salazar! Volta! Estás perdoado!!

MS
De RdS a 14 de Abril de 2009 às 14:29
Houve mais aberrações nacionais, mas nesses ninguém fala ou é saudosista (felizmente).

Mas desta última aberração há saudosismos, cretinos que querem desculpar e encontrar pontos positivos numa alarvidade que apenas nos envergonha a todos.

Ele não foi o único a fazer merda, mas é o único que querem desculpar e que gostariam de ver de volta - Felizmente está morto e não volta mais.

Além disso, dizer que agora está mal e antes é que era bom, nas memoráveis palavras do Dr. Barroso - É TANGA

Como se tivesse havido alguma, mesmo minima, coisa bem feita no tempo da Ditadura. NADA! ZERO!

APENAS UM PERÍODO NEGRO E DE VERGONHA NA NOSSA HISTÓRIA.

RdS
De GERAL a 14 de Abril de 2009 às 15:18
Claro que sim.

Vamos arranjar um único bode espiatório para desculpar as cretinices nacionais. Arrumamos tudo para debaixo do tapete pois afinal conseguimos encontrar um culpado.

Assim descansamos a consciência... Ufa! o culpado está encontrado. que boommmm!!!

eu também lamento o saudosismo... é que isso pressupõe que não se vislumbra ninguém melhor o que é aterrorizador! mas também não caio na asneira de encontrar apenas um culpado, ao melhor estilo de catarse intelectual. O problema é real, permanente e perdura há séculos.

Os descobrimentos, infelizmente, foram um erro histórico. É que de fato isso potenciou a calanzice nacional, a preguiça e o enriquecimento fácil, que culminou no nosso fantástico tecido empresarial, na agricultura que temos, na nossa indústria, etc, etc.

Não creio que Salazar tenha sido o único culpado! ninguém consegue ser uma merda tão grande sózinho, se não tiver a ajuda de um povo de merda!

e atenção: não sou saudosista!

MS

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Nas voltas e reviravoltas...

. A Austeridade...

. Portugal e a Crise

. Jogo FMI

. FMI e afins

. O outro lado da exuberânc...

. Os Sufrágios!

. As idio(ti)ssincracias da...

. O país de betão

. O salário minimo e Portug...

.arquivos

. Outubro 2013

. Setembro 2012

. Maio 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

.tags

. todas as tags

.Contador

.Contador

blogs SAPO

.subscrever feeds